O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
23/01/2018 00h00
CARTAS NO TEMPO - Dois caminhos...

 


Por Ricardo oliveira - oliveirapoeta@gmail.com


 

 CARTAS NO TEMPO: Dois caminhos...


 

Caminhos diversos...

Inexpressivamente, venho pensando em como viver intensamente as coisas que são da poesia. E isso me leva a supor que já não estou em meu juízo perfeito. Tudo na escrita deve ser verdadeiro e o coração tem sempre uma parcela de vontade em por na prática as belezas florescendo nos versos. Também, não posso deixar de dá certo crédito a alma, já alegre por revelar ser a construtora das ideias a surgirem para compor a poética. A vida coloca caminhos diversos, mas as escolhas cabem somente à pessoa a quem ela se mostra aberta.

 

Dois caminhos sem volta!

Há dois caminhos sem volta!

E neles a alma e o coração

Vem a conversarem entre si.

O homem é feito dos dois elementos,

E nada mudará a sua essência de ser.

Os versos de uma poesia seguem seu curso

Quando são escritas em VERDADE.

A HARMONIA de energias naturais,

Tem razões que desconhecemos.

Viver é bom demais, mas somente

Se encontrar um motivo certo

Para vivê-la de maneira consciente.

Oh, encantamento das luzes!

Essas dos quais são estrelas no céu,

E nenhuma delas vem a se apagar.

É um mistério tirar as palavras

Concretas do dia a dia, como

Vem a ser complexo transforma-las

Em atos a encher os olhos de orgulho.

Tu és a cintilante maestria! Quem?

A doce vivencia da esperança.

A sutileza dos seres humanos,

E a leveza das delicadas mulheres.

Uma flor é a vontade divina!

Assim, busco o que for,

A fim de que eu tenha a coragem

De não desistir de meus sonhos,

Ainda não almejados por meu intimo.

 

A certeza do ser humano

Radiante questão do sujeito é a certeza de viver. Mas o que o torna interessante é a procura por conquistar objetivos, e decisões são projeções a derem certo ou errado, de acordo com aquilo que desejar. O poeta diz ter dois caminhos sem volta. Sim, sem volta, por motivos de suas escolhas. Ele (o poeta) quer experimentar a sinceridade com que sua arte é expressa, e por isso, não descarta a alma e o coração serem elementos imutáveis de um ser pensante.  As estrelas são luzes a não se apagarem, a esperança é doce e como a mulher é a leveza da delicadeza humana, assim, o poeta anseia em ser para alcançar seus objetivos.

 

Que a vida seja uma escolha correta!


Coluna escrita Terças e Domingos.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 23/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras