O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
02/03/2018 00h00
VIAJANDO NA POESIA – Praia Comprida

 


Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


PRAIA COMPRIDA


 

Praia Comprida que um dia o mar te beijou

Debruando tuas casas, teu comercio

Hoje distante estás do mar

E ele nostálgico a te mirar

De um tempo que a ti servia de escoadouro

Dos bens produzidos por ti e arredores

Através de tua rua central se partia

Para o centro de São José, Palhoça

Forquilhas, Roçado e a Capital

Mantinhas um comércio viçoso

Casa de comercio Petry, armazém Pedro Bunn

Um café Filomeno, que quando por lá passavam

Os transeuntes sentiam o aroma

Que do interior exalavam de suas moendas

Este edifício mais tarde tornou-se

Sede do primeiro clube para idosos da região

O Clube Maré Alta do tio Cachopa

Hoje com novas instalações

Divertem mocinhas, mocinhos

Senhorias e senhorios

Sem preconceitos de idade

Mais adiante foi sede do Grupo Escoteiro

São José da Terra Firme

Fundado pelo saudoso Pe. Edgar

A igrejinha de Santa Filomena e Nossa Senhora de Fátima

Permanece como patrimônio histórico

Está a esperar seus fiéis convictos

Para uma novena rezar, uma missa participar

Antiga sede do clube Primeiro de Junho

E tantos casarios que um dia existiu

Não só de passado vive o homem

Hoje crescestes, evoluístes

Em ti reside um Hospital que cura muitas pessoas

Há um bombeiro que salva pessoas

Há uma escola que prepara pessoas

Para um futuro promissor

Hoje tua avenida só tem um sentido de ida

Como a lembrar de que devemos ir adiante

Ao centro, onde tudo começou

Resgatar o passado, ir em frente

Seguir adiante contando nossa história

Retornando por uma via a beiramar

Iniciando uma nova etapa desta caminhada

Escrevendo uma nova história

Sem nunca omitir e desprezar teu rico passado

Praia Comprida de São José da Terra Firme


Coluna escrita as Sextas-Feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 02/03/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras