O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
09/03/2018 08h39
VIAJANDO NA POESIA – DIÁLOGO DA MULHER COM DEUS


Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


DIÁLOGO DA MULHER COM DEUS


Deus, desejo conversar contigo, se me permites trata-lo desta forma, pois assim, me sinto mais a vontade, mais próxima de ti, no teu colo. Nos últimos tempos tenho me questionado e te questionado também acerca de minha vida, meu presente e meu futuro. Porque nos sentimos diferentes dos homens seja em sua estrutura física, seja em sua estrutura emocional e intelectual?
Minha amada filha não te preocupe com estas besteiras. Estas diferenças que tu sentes não são reais, são parâmetros criados pela sociedade, criações do homem como forma de manter o seu poder. Perante mim, seu criador são todos iguais, sem distinção de sexo, intelecto. Ah, ia me esquecendo, tens uma diferença especial que a nenhum homem foi dada esta oportunidade. Existe em ti um casulo sagrado que te permite gerar seres divinos e quando regados e semeados floresce de uma forma vertiginosa me permitindo te agradecer.
Mas como tu agradeces a nós, se somos frutos da tua criação? Nós é que devemos agradecer.
Não, não minha filha. Eu tenho muito a agradecer a vocês mulheres pela sensibilidade de parir e dar continuidade da espécie neste belo planeta
Porque algumas vezes sou considerada uma santa outras tantas uma prostituta? A sociedade me vê como inferior ao homem, ganho menos que eles, trabalho mais do que eles. Meu turno de trabalho às vezes ultrapassam 24 horas, como posso aguentar toda esta disparidade?
Para mim não existe esta dicotomia, todas as mulheres são santas, pois elas geram vidas.  Cada homem enxerga até onde sua visão alcança, sua moral permite e sua ética aprova. Tu és especial, pensas que o homem aguentaria tudo isto? Claro que não. Tu és um ser sensível, inteligente, és minha parceira de criação. Tu és uma criatura criadora, como já falei anteriormente, tu semeias, rega e permite que o jardim floresça de rosas e jasmins para me alegrar, me sentir importante perante o homem. Este é o teu desafio, o teu compromisso comigo, de mais ninguém. O homem contribui com sua semente, mas o casulo só a ti pertence. O que nos diferencia é que eu sou o criador de todo universo, criei o primeiro homem e a primeira mulher depois disto deleguei poderes para tu, mulher, dar continuidade à espécie. Diga-se de passagem, estou muito satisfeito com tuas atitudes. O amor incondicional que eu sinto por todos conseguiste assimilar bem e a cada rebento que emerge de teu jardim é uma fagulha de mim.
E a costela de Adão porque em mim está? Precisa eu ter uma parte dele para sentir-se feliz? Não seria uma dependência eterna de ele sentir?
Não te preocupe minha filha. Isto não é real, o homem criou esta estória para melhor compreender meus desígnios, esconder seu egocentrismo. Impor à mulher sua superioridade, que na realidade não existe, no entanto a sociedade encampou esta estória como verdadeira, inclusive nos templos se apregoam a superioridade do homem. Deturparam o que os mestres semearam de concórdia, transformando em discórdia todos os ensinamentos até aqui propostos. Eu também às vezes me sinto triste e me ponho a pensar: “o quanto é difícil meus filhos me compreenderem”, mas logo volto à realidade de que eu sou um pai bondoso e justo, perdoo as possíveis falhas de minha prole dando a eles oportunidades várias para eles se redimirem de seus pecados. 
Foi muito positiva esta conversa contigo. Sinto-me mais aliviada, mais amada. Caí na real que sou uma peça importante neste jogo de xadrez da vida. Jogo este que não deve existir cheque mate e sim continuarmos de mãos dadas trocando as peças quando necessária de uma forma que elas não caiam do tabuleiro, mas continuem organizadas para a próxima batalha. Obrigado Deus, sou uma vencedora.


Coluna escrita as Sextas-feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 09/03/2018 às 08h39
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras