CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Diàrio Recôndito e Poesia
O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
Meu Diário
26/03/2018 18h43
ROSIANE FAVERO: A Culpa é de quem?


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


A Culpa é de quem?


Vivemos cercados de acontecimentos, notícias que nem sempre são fatos, enfim; no entanto, recebemos informações que obviamente cabe a cada um de nós discernir, para então avaliar com imparcialidade. Mas, diante de tantos eventos negativos e que muitas vezes nos ofende, agride e desrespeita como cidadãos brasileiros, seja na nossa cidade, estado ou no país como um todo; podemos nos perguntar: mas afinal de quem é a culpa? Quem é o responsável por isso tudo? Lembrando que, uma sociedade é composta por pessoas, que juntas, cada uma fazendo a sua parte e dadas as suas responsabilidades, construirão uma vida melhor para todos. Em princípio seria assim, não é mesmo? E se não agirmos desta forma? E se negligenciarmos esse fato? Voltando então, aos eventos negativos que muitas vezes nos agridem, precisamos avaliar até que ponto somos responsáveis como cidadãos. Vamos refletir sobre o seguinte: se a culpa é uma acusação que se faz a alguém por uma conduta que criou uma determinada reação...por exemplo, no mundo político a meu ver poderíamos dizer que isso é uma constante. Para elucidar melhor, vamos supor que o Legislativo de uma determinada cidade, conceda uma honraria a quem não tem condição alguma de receber, por questões óbvias de desmerecimento. Como resultado, esse ato ofendeu e desrespeitou uma grande maioria de pessoas. E a culpa é de quem? Uma vez que, ela consiste na omissão da conduta devida para prever e evitar danos, seja por negligência, imprudência ou incompetência. Mas será que no mundo político sentir-se culpado, é comum? E temos ainda, a questão do erro. Quando é tratado como uma forma de se chegar ao acerto como experiência e obviamente não afete mais ninguém, a não ser você mesmo, funciona como aprendizado, ótimo! O que não deve acontecer é a repetição do erro de forma leviana e inconsequente, prejudicando outras pessoas. Isto dito, sejamos atentos as nossas escolhas na vida! E digo isso, porque nós enquanto cidadãos, temos a nossa parte nessa “história” chamada Brasil.

 

“Errar é humano, mas, persistir é leviandade ”

(Rosiane Favero)


Coluna escrita Segundas e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 26/03/2018 às 18h43
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.