CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Diàrio Recôndito e Poesia
O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
Meu Diário
11/04/2018 21h21
ROSEANI FAVERO: “Arrumando a casa”


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


“Arrumando a casa”


​​​​​
Tão importante como o vestir-se e adornar-se, é a maneira como “vestimos” a nossa casa. E como arrumamos, perfumamos, protegemos, higienizamos e zelamos por ela, é o que nos difere uns dos outros. Cada qual a sua maneira, faz da sua, uma extensão de si mesmo. Concorda? A começar pelo nosso guarda-roupa. Você já deu uma olhadinha no seu? Cada um de nós, obviamente tem uma forma de deixá-lo em ordem, para depois encontrar mais facilmente aquilo que quer vestir. As roupas poderão ser separadas por prateleiras, cores, texturas, cabides, e ainda, alguns de nós poderá preferir organizar as roupas em araras. Por sinal, um jeito mais despojado, prático e barato. Ótimo. Contudo, na vida existirá sempre algo maior para nos nortear. Alguns chamam de regra, outros de direcionamento, valores, princípios, leis, enfim. Num ponto podemos concordar; todos nós temos um jeito próprio e característico de arrumar a casa. Mas...há um outro ponto que também podemos concordar. Para que ela funcione, há que se observar um princípio básico, que é comum a todos. Tendo como finalidade o bom funcionamento da mesma, sendo uma extensão da nossa vida. Assim, também é com a nossa nação, para que possamos viver e conviver em harmonia. Cada um de nós é livre para escolher a sua roupa, arrumar a sua casa, fazer as suas escolhas. Desde que, se respeite aquelas “regrinhas” básicas que são comuns a todos que formam uma sociedade organizada, justa e próspera Já dizia a minha querida e saudosa avó “se quer conhecer alguém, peça para ver o seu guarda-roupa. ” É...poderemos nos surpreender!

“Ninguém quer uma casa em desordem, não é? ”
(by Rosiane Favero)


Coluna escrita Segundas e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 11/04/2018 às 21h21
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/04/2018 22h13
ROSEANI FAVERO: Siga os “trilhos” e não crie atalhos


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


Siga os “trilhos” e não crie atalhos


Diariamente, podemos escolher e traçar os nossos próprios caminhos de acordo com a vontade, desejo, necessidade, motivados por algo que queremos alcançar, e que muitas vezes não temos ideia de como alcançaremos. No entanto, vamos buscando até conseguir! Isso se chama fé, acreditar, ter persistência! Ótimo! Natural do ser humano desafiar-se na busca do tão almejado projeto pessoal ou profissional. Saudável e necessário para nossa evolução e uma vida feliz e próspera. Porém, sempre que eu penso em sonho e projeto de vida, eu me pergunto se irá beneficiar, e ainda, causar um impacto positivo na vida de outras pessoas. Sim, porque afinal, vivemos em comunidade, formamos uma sociedade e a minha ação de algum modo poderá refletir no outro. É uma via de mão dupla e, a meu ver aí está o X. da questão. Como utilizar o nosso potencial construtivo para agregar, contribuir, formar opiniões baseadas em fatos, enfim, como? Muitas vezes, o caminho que escolhemos percorrer é duvidoso, e no fundo sabemos que não é o correto seguir. Aí então, nos “desequilibramos nos trilhos. ” Contudo, se realmente quisermos viver e conviver bem em sociedade, observemos os trilhos que norteiam as nossas vidas. O caminho correto, justo, digno, verdadeiro, lógico, nós sempre saberemos qual é. Só não vamos insistir naquele “atalhozinho! ” Fazendo uma breve menção aos últimos acontecimentos no nosso país, podemos dizer que os nossos desejos e ações não podem se sobrepor aos de uma sociedade por inteiro. Devemos sempre ter em mente a construção para o bem de todos; edificando a nossa cidade, estado e país, como cidadãos que se baseiam no respeito, compromisso, responsabilidade, verdade, justiça, e amor pelas pessoas. E não o contrário. E digo mais...o poder pelo poder, nunca valerá a pena! Concluo, com uma reflexão. Quais os exemplos estamos deixando para as crianças de hoje, que formarão o nosso país do futuro?

 

“Observe os trilhos e não crie atalhos. Você pode se perder.”

(Rosiane Favero)


Coluna escrita Segundas-feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 09/04/2018 às 22h13
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
06/04/2018 21h32
VIAJANDO NA POESIA – SER FELIZ


Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


SER FELIZ


 

Ser feliz

É gostar de coisas boas e gostosas

É gostar da gente mesmo

É ter muitos amigos

É sonhar com o irreal

É gostar de doce

É ser uma eterna criança

É gostar de caminhar

É gostar de correr

É gostar de gritar

É gostar de chorar

É gostar de sorrir

É saber calar no momento certo

É saber falar o essencial

É saber dormir tranqüilo

É saber acordar disposto

É saber ajudar o próximo

É saber receber ajuda quando necessário

É gostar de viajar, conhecer novos lugares

É gostar de cantar lindas canções

É gostar de dançar com uma pessoa especial

É gostar de conversar um longo papo

É gostar de trabalhar uma peça

É gostar de ouvir coisas boas

É gostar de ser ouvido

É gostar de conhecer a natureza

É gostar de escrever seus sentimentos

É saber confiar um grande segredo

É gostar de amar e ser amado


Coluna escrita as Sextas-feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 06/04/2018 às 21h32
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
05/04/2018 09h14
ROSIANE FAVERO: Lindos sapatos, lindos caminhos!


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


Lindos sapatos, lindos caminhos!


Ahhh...os sapatos que nos fascinam, não é verdade? Há algumas décadas, os sapatos passaram a ser itens de coleção, paixão e desejo. Mas o fato é que foram projetados inicialmente, apenas para proteger os pés dos terrenos acidentados, do frio, calor, enfim. O tempo foi passando e, as formas, cores, texturas, foram sendo aperfeiçoadas de acordo com a necessidade e, procurando nos proporcionar mais conforto, elegância, e encantamento ao calçar. Virou então, um grande objeto de desejo! E absolutamente nada contra. Pelo contrário.

Vou citar hoje, o clássico Scarpin!! Admirado e usado por tantas mulheres, é atualíssimo! São belos, chiquérrimos, elegantes, que podem ser usados a qualquer momento, sem medo de errar. Do dia a noite, acompanhado por um jeans ou vestido, por exemplo. Nas mais variadas cores, como o vermelho, preto, verde militar, pink, e ainda, tendo entre outros, as fivelas e transparências como detalhes. São lindos e eu confesso, sou uma apreciadora! Independente de moda, sempre procuro aliar beleza, conforto, elegância e bom senso-senso ao me vestir e calçar.

Realmente os sapatos são lindos, aquecem e protegem os nossos pés, e obviamente são necessários. Mas, e como está a nossa caminhada diária? Por quais caminhos temos andado? Quais as tendências estamos seguindo? Em que acreditamos e temos fé? Isto dito, e sem me prolongar, a meu ver o mais importante e o que realmente deve ser levado em consideração, é como nós caminhamos e para onde queremos ir. O que calçamos, sem dúvida é importante, é gostoso escolher e comprar, afinal, um belo par de sapatos; contudo, ainda o que conta...é como percorremos o caminho.

“Passos firmes, com retidão e elegância. Isso, pode se transformar numa grande tendência de moda!!”


Coluna escrita Segundas e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 05/04/2018 às 09h14
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
02/04/2018 19h29
ROSIANE FAVERO: Atitude X Resultado


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


Atitude X Resultado


O Compromisso é uma responsabilidade assumida, e o comprometimento vai além da responsabilidade. Há que se ter envolvimento e motivação para cumprir o compromisso. A palavra comprometimento hoje, passou a ser comum no nosso dia a dia, até porque nunca se precisou tanto; haja visto, os momentos difíceis que o nosso país enfrentou (já houve melhora), e ainda está enfrentando. Quem se compromete com o resultado, seja de um trabalho ou projeto, automaticamente, cumpre todas as outras etapas esperadas. Quem assume a postura de entregar o melhor, facilita e agiliza os processos, colabora, busca alternativas para resolver as questões que muitas vezes diz respeito a outras pessoas. Quem se compromete com o resultado deixa o ego de lado, auxilia, se coloca à disposição. Podemos dizer, por exemplo, que este é (ou teria que ser), o compromisso e comprometimento dos nossos Governos e Instituições nas esferas Municipal, Estadual e Federal. Quando alimentarmos pensamentos e posturas como, “eu fiz a minha parte, se não deu certo não é culpa minha”, não estaremos de fato comprometidos, e sim equivocados. Quem está, pensa o tempo todo em como poderia ajudar mais, por que a ideia inicial não deu certo, enfim. Pessoas comprometidas, sociedade que somos todos nós (cidadãos, governos, instituições), devem ser parceiros pensando num bem maior. Você já parou para pensar se está comprometido realmente com o que você se propôs a fazer?

Comprometa-se com o resultado, motive as pessoas que estão a sua volta, seja família, amigos, colegas de trabalho, sua comunidade, enfim; assim, você estará se comprometendo também com você, com seu desenvolvimento e a sua satisfação pessoal. Se sentir que isso não é possível, estude outras possibilidades, mude, mas, busque um lugar onde realmente possa dizer, “sou comprometido, acredito no que faço e alcançarei o melhor resultado! ” O ganho para sua vida será imenso! Temos que ter consciência que somos aquilo que desejamos ser!                                                                                                         O sucesso e o insucesso caminham lado a lado. E tudo depende da maneira como encaramos as situações e circunstâncias da vida. Não reclamar e não se “vitimizar”, é um grande passo! Enfim, são vários os comportamentos assumidos por aqueles que não têm coragem de superar seus limites, enfrentar suas dificuldades e que preferem incentivar atitudes que nunca os levarão ao sucesso; e o pior, induzindo outras pessoas a percorrerem o mesmo caminho. O sucesso depende de dedicação, planejamento, preparação, atitudes que estejam atreladas a valores e princípios, respeito às pessoas e bom relacionamento.  É muito importante pararmos para refletir sobre a vida que temos e a que desejamos ter. Será que estamos tendo atitudes que nos valorizam, estamos nos desenvolvendo nos aspectos profissional, emocional e social? Mudar de atitude, pode significar experimentar o desconhecido. Nós, muitas vezes, não sabemos exatamente como percorrer por esse caminho, por medo do fracasso. O que muitas pessoas fazem é preferir manter seus velhos hábitos, pois esses as manterão na zona de conforto. Medo, incerteza, instabilidade, insegurança, são emoções que a maioria das pessoas evita experimentar. Afinal, num primeiro momento todos nós detestamos a ideia da mudança. Preferimos lidar com o que já conhecemos do que lidar com o que desconhecido. Isso, insisto, precisamos mudar. Aliás, para que haja crescimento, desenvolvimento, seja em que área for, é preciso mudar! E obviamente implica em atitude! Mas como mudar um comportamento? Respondo. Decida-se, posicione-se, acredite, se comprometa e siga. Esse é o caminho daqueles que realizam. Tentemos perceber a nossa realidade e não sejamos omissos.                             

“Tenha atitude e realize! ”


Coluna escrita as Segundas e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 02/04/2018 às 19h29
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 2 de 17 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]