CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Diàrio Recôndito e Poesia
O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
Meu Diário
13/03/2018 14h47
CARTAS NO TEMPO - HERÓIS OU POETAS?


E-mail: oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


 

HERÓIS OU POETAS?


 

Quanto pegasus, o cavalo alado traz consigo a mitologia grega,

Vê-se que ela é traçada por poesias ritualísticas,

Onde a vivencia deste ser mítico,

Ganha um amigo herói.

 

E quem somos nós?

Heróis que lutam por uma vida, mas justa,

Ou heróis que montam em seus cavalos alados,

Em busca de aventuras, delas, a glória da imortalidade.

 

Enquanto Aquiles e Ulisses são humanos que enfrentaram o mundo por acreditar em algo,

Há seres humanos que lutam pela vida cotidiana,

Justamente por terem no Transcendente: sua própria esperança.

E retorno a celebre questão: Quem somos nós?

 

Heróis ou poetas?

 

Heróis: Por tentarmos perceber que nossas diferenças não implicam em  rejeitar a construção da identidade (s) a partir de um diálogo inter-religioso.

Poetas: Por fazermos do mundo, grandes cânticos, onde a mitologia em que a nossa tradição religiosa discute, não é a verdade absoluta, mas, fonte inspiradora, mostrando que o processo dessa discussão e hermenêutica, se dá através da alteridade que leva-nos a reconhecer o Outro como um ser capaz de se relacionar socialmente.   

É por isso que o pegasus traduz as asas do pensamento,

Que tem liberdade pra expressa-se, liberdade para enxerga-se como herói e poeta histórico.

Liberdade de agir ou não, liberdade de culto, liberdade de gênero,

Liberdade para amar, chorar e de demonstrar aspirações.

 

Heróis ou Poetas?

 

PENSAMENTOS NO TEMPO:

"O que realmente somos neste mundo: Heróis ou Poetas? Prefiro ser um poeta que reuni as caracteristicas humanas, do que um heroi a ser lembrado só pelos seus feitos.

 

Ricardo Oliveira


Coluna escrita as Terças e Domingos


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 13/03/2018 às 14h47
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/03/2018 17h46
ROSEANI FAVERO: Decepção e Reação


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


Decepção e Reação


Podemos dizer que, diariamente ficamos desestimulados ao ver tantas notícias negativas, não é assim? Seja no quesito política, saúde, segurança pública, educação; entre tantos outros. E certamente estamos fartos disso.

Por outro lado, estamos nos esforçando para preservar nossos empregos, produzir algo, empreender mesmo com todas as dificuldades, e ainda, procurar crescer! E o que acontece infelizmente, é que o crescimento do nosso país depende da economia, que está diretamente ligada às ações políticas. A intervenção do Estado é muito grande. Isso é positivo? Penso que não.

Trabalhamos muito para o nosso sustento, por melhores condições de vida em nosso país e obviamente precisamos de um retorno. Afinal, pagamos impostos, juros, taxas, enfim. É realmente decepcionante e desmotivador.

Contudo, a meu ver é exatamente essa discordância que nos permite avançar, questionar, e ainda, olhar a realidade de frente e progredir. A decepção é uma forma de frustração, e aprender a lidar com ela é uma habilidade essencial para conseguirmos conviver com as nossas emoções de forma prática.  E vou além; para que o crescimento aconteça, por incrível e absurda que a ideia possa parecer, a decepção precisa ser experimentada. Sim! Isso nos ajudará a desenvolver a capacidade de superar as decepções e funcionará como um processo de construção das habilidades de enfrentamento, para a concretização de algo maior e muito melhor. Portanto, aprendamos a encarar os percalços diários. Fácil? Não está para ninguém! Mas, sejamos nós, os promotores de pensamentos, ideias, conceitos e, posturas mais positivas e proativas! Não permitamos que as decepções nos paralisem. Elas são apenas “gás” para o nosso crescimento e desenvolvimento pessoal e profissional. Fácil? Repito, não é; mas, num momento ainda tão delicado para o nosso país, é interessante e ouso dizer, necessário que se faça isso. Agir mais! E que da nossa boca, só saiam palavras para edificar, construir; esclarecer, informar e motivar.

Seja você, a mudança que quer ver”

(By Rosiane Favero)


Coluna escrita as Segundas e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 12/03/2018 às 17h46
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
11/03/2018 11h05
CARTAS NO TEMPO - Buscar o teu querer

 


E-mail: oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


Buscar o teu querer


Ensina-me a buscar o teu querer?

Para que eu não tenha outro amor.

E nisso, viveremos pra sempre...

Jurando ser quem for.

 

Jamais imaginei...

Aventurar-me em tuas delícias.

Nas madrugadas, ter outra vida!

Banhando-nos nas águas de Portugal.

 

Sinto a paz se estabelecer em nós!

Impulsionando-nos a declarar:

Seja no mais profundo dos olhos,

Pra te amar, não precisa falar.

 

Como somos versos e músicas,

Tocando através dos instrumentos.

Vejo o futuro ir além...

Dos sonhos de um dia inteiro.

 

Até mesmo no inverno,

Empresto minha boca.

É uma viagem louca,

Poder te desejar, (doce poesia).


Coluna escrita as Terças e Domingos.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 11/03/2018 às 11h05
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
10/03/2018 11h01
Palavras & Sentimentos: Nós as Mulheres


Eloah Westphalen Naschenweng - eloahwn@hotmail.com


Nós as Mulheres


“Nas inquietações,  no encanto,

 no desencanto, no amor, no desamor, 

na sede e na Fome da alma existe um pouco de mim, 

um pouco de você e um pouco de todas nós.

É este tremor que pulsa no coração, 

estica a ternura e 

coloca a beleza no sopro da vida.”

 

Abro um espaço e no ócio tão raro e precioso, reflito, percorro o tempo e, penso nos transtornos, que acarretamos, nós as mulheres, na ordem do mundo, desde que num ato de rebeldia consciente resolvemos mudar o curso de nossas vidas, quebrar as sequências e reavaliar os valores.

Que trabalho aprontamos com essa generalizada bagunça. Afinal, de nós foi sempre o esperado: o abrigo, o prazer, o conforto, o tempo e o sagrado posto de esposa e mãe.

É verdade que levamos conosco a dádiva de ser mulher, procriar e o dom de possuir esse sentimento pleno, avassalador, insubstituível que nos toma conta por inteiro e nos suga minuto a minuto a vida toda. Mas a par da plenitude e da beleza incorporada, que nos encanta e alimenta - e não abrimos mãos de vivê-lo - traz na bagagem fartas exigências, cobranças e responsabilidades que vão proliferando-se ao longo do tempo e juntando-se a sentimentos de tantas e quantas culpas imaginadas, mas reais, porque nos fizeram acreditar que a perfeição leva à perfeição e que o dever está em primeiro lugar.

E o tempo?

Ah! Precioso tempo. Esse tempo que contamos, puxamos, esticamos e desdobramos muitas vezes no afã de achar tempo para correr - e isso exige que sejamos as atletas que não somos - atrás de outras realizações pessoais, tão nossas e, vezes sem conta, impraticáveis porque não temos tempo.

São elos que se interligam com novos elos compondo densas correntes, e que nos acompanham e aos nossos conflitantes e arraigados valores vida afora.

São tantas as amarras, difícil e espinhosa tem sido a mudança por mais tênue que seja. Mas sabemos que estamos abrindo caminhos e que abrir caminhos nunca deu leveza aos passos.   Energizadas e impulsionadas pelo desafio e a tenacidade engendrada no dia a dia, continuamos a persistir motivadas e fortalecidas.

Sabemos, também, que somos muitas e que de todas as maneiras, diferentes maneiras estamos, paulatinamente, abrindo uma brecha à luz do mundo para que possamos iguais em direito, mesmo parte de outros sonhos, buscar em outras plagas os nossos tão sonhados sonhos.


Coluna escrita aos Sábados (quinzenalmente).


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 10/03/2018 às 11h01
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/03/2018 08h39
VIAJANDO NA POESIA – DIÁLOGO DA MULHER COM DEUS


Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


DIÁLOGO DA MULHER COM DEUS


Deus, desejo conversar contigo, se me permites trata-lo desta forma, pois assim, me sinto mais a vontade, mais próxima de ti, no teu colo. Nos últimos tempos tenho me questionado e te questionado também acerca de minha vida, meu presente e meu futuro. Porque nos sentimos diferentes dos homens seja em sua estrutura física, seja em sua estrutura emocional e intelectual?
Minha amada filha não te preocupe com estas besteiras. Estas diferenças que tu sentes não são reais, são parâmetros criados pela sociedade, criações do homem como forma de manter o seu poder. Perante mim, seu criador são todos iguais, sem distinção de sexo, intelecto. Ah, ia me esquecendo, tens uma diferença especial que a nenhum homem foi dada esta oportunidade. Existe em ti um casulo sagrado que te permite gerar seres divinos e quando regados e semeados floresce de uma forma vertiginosa me permitindo te agradecer.
Mas como tu agradeces a nós, se somos frutos da tua criação? Nós é que devemos agradecer.
Não, não minha filha. Eu tenho muito a agradecer a vocês mulheres pela sensibilidade de parir e dar continuidade da espécie neste belo planeta
Porque algumas vezes sou considerada uma santa outras tantas uma prostituta? A sociedade me vê como inferior ao homem, ganho menos que eles, trabalho mais do que eles. Meu turno de trabalho às vezes ultrapassam 24 horas, como posso aguentar toda esta disparidade?
Para mim não existe esta dicotomia, todas as mulheres são santas, pois elas geram vidas.  Cada homem enxerga até onde sua visão alcança, sua moral permite e sua ética aprova. Tu és especial, pensas que o homem aguentaria tudo isto? Claro que não. Tu és um ser sensível, inteligente, és minha parceira de criação. Tu és uma criatura criadora, como já falei anteriormente, tu semeias, rega e permite que o jardim floresça de rosas e jasmins para me alegrar, me sentir importante perante o homem. Este é o teu desafio, o teu compromisso comigo, de mais ninguém. O homem contribui com sua semente, mas o casulo só a ti pertence. O que nos diferencia é que eu sou o criador de todo universo, criei o primeiro homem e a primeira mulher depois disto deleguei poderes para tu, mulher, dar continuidade à espécie. Diga-se de passagem, estou muito satisfeito com tuas atitudes. O amor incondicional que eu sinto por todos conseguiste assimilar bem e a cada rebento que emerge de teu jardim é uma fagulha de mim.
E a costela de Adão porque em mim está? Precisa eu ter uma parte dele para sentir-se feliz? Não seria uma dependência eterna de ele sentir?
Não te preocupe minha filha. Isto não é real, o homem criou esta estória para melhor compreender meus desígnios, esconder seu egocentrismo. Impor à mulher sua superioridade, que na realidade não existe, no entanto a sociedade encampou esta estória como verdadeira, inclusive nos templos se apregoam a superioridade do homem. Deturparam o que os mestres semearam de concórdia, transformando em discórdia todos os ensinamentos até aqui propostos. Eu também às vezes me sinto triste e me ponho a pensar: “o quanto é difícil meus filhos me compreenderem”, mas logo volto à realidade de que eu sou um pai bondoso e justo, perdoo as possíveis falhas de minha prole dando a eles oportunidades várias para eles se redimirem de seus pecados. 
Foi muito positiva esta conversa contigo. Sinto-me mais aliviada, mais amada. Caí na real que sou uma peça importante neste jogo de xadrez da vida. Jogo este que não deve existir cheque mate e sim continuarmos de mãos dadas trocando as peças quando necessária de uma forma que elas não caiam do tabuleiro, mas continuem organizadas para a próxima batalha. Obrigado Deus, sou uma vencedora.


Coluna escrita as Sextas-feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 09/03/2018 às 08h39
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 5 de 17 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]