CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Diàrio Recôndito e Poesia
O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
Meu Diário
28/01/2018 00h00
CARTA NO TEMPO: A viagem dos sonhos

 


Por Ricardo Oliveira - oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


 

CARTAS NO TEMPO: A viagem dos sonhos


 

                                                   

Amando os sonhos

C

omo pode haver tanta simplicidade em amar os sonhos? E como as vezes esses sonhos nos fazem termos uma infinidade de possibilidades de nos colocarmos a disposição de uma contemplação além do que possamos imaginar? Pois é! Deparei-me com a bela imagem da linguagem poética traduzida em cores e formas. O mar a tecer sua calmaria, a lua aparecendo para encantar um poeta apaixonado por tanta ternura das vestes com que cobre sua imperfeição. Os pássaros voando numa liberdade sublime, e vem construindo na memória de um homem, a sensibilidade das palavras. E por fim, as flores no mistério do significado de AMOR.

 

Sonhos em mim mesmo

Busco-te fonte de ar fresco!

E em teus momentos venho a estar

Em sonhos para enxergar em mim mesmo

As incandescentes vontades de ficar.

Ficar nestes versos e seus temperos,

Sentindo o aroma da plenitude dos tempos,

Na onde das águas a banhar meus pés,

Até o canto das aves a ensinar que,

Com asas podem chegar a liberdade.

Encaminho para a beira deste paraíso,

Observando as nuvens e seu céu.

Também a lua dos amantes,

Quando me pego a pensar em nada.

O nada é ter que acalmar o coração,

E a alma estremecendo para emanar a luz.

A luminosidade das proporções a expandir

Os oceanos imaginários, pois é somente

Ao dormir, a candura de se viver uma VERDADE.

Como pode uma areia transmitir inspiração?

Será invenção de quem tem ilusões em si,

Ou a necessidade de poder ter novas ideias?

Ideias nascendo como uma mulher num parto,

Vindo na alegria de ter a sabedoria preservada.

Contudo, agora já é hora de retornar da viagem

Conturbada e cheia de emoções, porque somente

Ela (a viagem) pode dá ao sujeito o mundo a desejar.

Nas estrelas está a perfeição da divindade,

E na divindade se encontra o caminho para os homens.

 

O ato de sonhar

Como vemos, caros leitores, o ato de sonhar nos conduz a margem de grandes rios, belos segredos da vida e percebemos a importância da contemplação. O significado de amor se traduz na PUREZA E SIMPLICIDADE que leva a HUMILDADE. O poeta não esconde a sua busca pela fonte de inspiração, e isso se dá através de uma imagem visto por ele como algo a ser alcançado, almejado e infinitamente sagrado. A liberdade dos pássaros, vem a ser a livre e espontânea loucura de dá ao escritor as palavras certas a compor seus versos. A água configura a sua necessidade de ser banhado na paz a deixar em seu corpo e em sua alma. As nuvens, a lua e o desprendimento, já que não pensa em nada quando as veem. Esta viagem poética manifesta nas estrelas a perfeição da criação feita pela divindade, assim claramente, aparece os caminhos para toda a humanidade.

 

Não nos privamos de sempre sonhar!


Coluna escrita as Terças e Domingos.

www.cartasnotempo.blogspot.com.br


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 28/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
27/01/2018 00h00
PALAVRAS & SENTIMENTOS: Loucos Sonhadores

 


Eloah Westphalen Naschenweng - eloahwn@hotmail.com


 

LOUCOS SONHADORES


 

“A alma do poeta reverente

À espera fica...

É esta inquietude que nos faz viver”

 

 

Todo instante é a oportunidade.

A vida não é nem um melodrama, nem uma comédia, mas sim, uma realidade que nos leva a crises e remissões.

A verdade é tangível, não nos abandona, mas loucos sonhadores deste mundo, peregrinos que somos, fechamos os olhos, abrimos passagem e levados pela vida, extasiados, seguramos nossos sonhos.

Seguimos o curso, em movimento, enquanto o destino, caprichoso, vai dando sentido as nossas ilusões.

Deixamos janelas e portas abertas para o improvável, misturamos beleza, pescamos estrelas, corremos com as nuvens, plantamos flores na beira do caminho, bordamos versos, afastamos sombras, correntes de ar e turbilhões de vento. Fazemos, então, esta mistura de cores e dores, e colocamos todo universo em uma palheta.

Em estado de graça vamos partilhando doces sensações e músicas interiores que assobiam sinfonias inéditas, para que o tempo nos leve no rodopio de uma dança inesquecível.

Somos versos, delírio, esperança, suavidade, nostalgia e sentimentos.

Somos paixão, amor, saudosismo, visão, antídoto, mistério e palavras.

Somos poetas, carregamos no peito a eterna poesia.


Coluna escrita aos Sábados (Quinzenal).


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 27/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
26/01/2018 00h00
VIAJANDO NA POESIA – Viajando na poesia

 


Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


 

VIAJANDO NA POESIA


 

Viajando na poesia, sigo meu caminhar

No dedilhar do meu violão

Toco uma canção

Para o meu amor

 

Viajando na poesia, viajo mundo afora

Atravesso oceanos

Rios e florestas

Planícies e montanhas

 

Viajando na poesia, eu sorrio e choro

Choro de um amor perdido

Sentido, contido

Exaurido

 

Viajando na poesia, dialogo com Cruz e Sousa

Fernando Pessoa

Carlos Drummond de Andrade

E Mario Lago

 

Viajando na Poesia, converso com Deus

Com os anjos

Com os santos

E com os Orixás

Viajando na poesia, falo de amor

De ódio

De solidão

De esperança

De perseverança

 

Viajando na poesia, eu poetizo

Eu concretizo

Eu magnetizo

Eu me imagino

Um humilde poeta


Coluna escrita as Sextas-feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 26/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
24/01/2018 09h17
ROSIANE FAVERO: Inspire-se, arrisque-se, e esteja na moda!

 


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


 

Inspire-se, arrisque-se, e esteja na moda!


 

Se você deseja realmente estar em sintonia com as inspirações e tendências, vá para as ruas. Olhe, observe, sinta. Afinal, criatividade não se ensina, se desperta! De fato, é nas ruas ao observar texturas, cores, sons, cheiros e sabores, é que nos permitimos ativar nosso sistema sensorial, que capta estímulos que irão se materializar posteriormente.

As inspirações surgem de onde menos esperamos. Com um olhar apurado, você deve observar, analisar, desconstruir tudo aquilo que viu, para então, reconstruir de um jeito novo. O seu jeito. A palavra é...aventure-se!

A moda também se apodera de outras artes para buscar novas inspirações. E você pode fazer isso. É comum, ver estilistas e designers que encontram em um filme, livro, paisagem, música, e até mesmo numa noite enluarada...a ideia principal para uma coleção ou, até mesmo, para uma marca inteira.

São alguns caminhos para entender o que é a moda. Que nos encanta com suas cores, formas e possibilidades. Moda que cria conceitos e está cada vez mais, se adaptando ao gosto das pessoas. Fazendo com que elas, inclusive, criem as suas próprias roupas e estilos. O que acaba colaborando ainda mais para uma mudança muito rápida, nesse mundo que está em constante evolução e transformação, inclusive, no universo chamado moda.

 

 

Vestir-se é se expressar!


Coluna escrita as Segundas e Quartas


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 24/01/2018 às 09h17
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
23/01/2018 00h00
CARTAS NO TEMPO - Dois caminhos...

 


Por Ricardo oliveira - oliveirapoeta@gmail.com


 

 CARTAS NO TEMPO: Dois caminhos...


 

Caminhos diversos...

Inexpressivamente, venho pensando em como viver intensamente as coisas que são da poesia. E isso me leva a supor que já não estou em meu juízo perfeito. Tudo na escrita deve ser verdadeiro e o coração tem sempre uma parcela de vontade em por na prática as belezas florescendo nos versos. Também, não posso deixar de dá certo crédito a alma, já alegre por revelar ser a construtora das ideias a surgirem para compor a poética. A vida coloca caminhos diversos, mas as escolhas cabem somente à pessoa a quem ela se mostra aberta.

 

Dois caminhos sem volta!

Há dois caminhos sem volta!

E neles a alma e o coração

Vem a conversarem entre si.

O homem é feito dos dois elementos,

E nada mudará a sua essência de ser.

Os versos de uma poesia seguem seu curso

Quando são escritas em VERDADE.

A HARMONIA de energias naturais,

Tem razões que desconhecemos.

Viver é bom demais, mas somente

Se encontrar um motivo certo

Para vivê-la de maneira consciente.

Oh, encantamento das luzes!

Essas dos quais são estrelas no céu,

E nenhuma delas vem a se apagar.

É um mistério tirar as palavras

Concretas do dia a dia, como

Vem a ser complexo transforma-las

Em atos a encher os olhos de orgulho.

Tu és a cintilante maestria! Quem?

A doce vivencia da esperança.

A sutileza dos seres humanos,

E a leveza das delicadas mulheres.

Uma flor é a vontade divina!

Assim, busco o que for,

A fim de que eu tenha a coragem

De não desistir de meus sonhos,

Ainda não almejados por meu intimo.

 

A certeza do ser humano

Radiante questão do sujeito é a certeza de viver. Mas o que o torna interessante é a procura por conquistar objetivos, e decisões são projeções a derem certo ou errado, de acordo com aquilo que desejar. O poeta diz ter dois caminhos sem volta. Sim, sem volta, por motivos de suas escolhas. Ele (o poeta) quer experimentar a sinceridade com que sua arte é expressa, e por isso, não descarta a alma e o coração serem elementos imutáveis de um ser pensante.  As estrelas são luzes a não se apagarem, a esperança é doce e como a mulher é a leveza da delicadeza humana, assim, o poeta anseia em ser para alcançar seus objetivos.

 

Que a vida seja uma escolha correta!


Coluna escrita Terças e Domingos.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 23/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 5 de 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 [«anterior] [próxima»]