CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Diàrio Recôndito e Poesia
O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
Meu Diário
08/01/2018 08h58
CABEÇA PENSANTE - Em busca das vitórias!

 


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


 

Não podemos voltar atrás e mudar o que já aconteceu; no entanto, sempre há uma oportunidade de iniciar um novo projeto de vida. Seja pessoal ou profissional.

Se fizemos o nosso melhor, mas, percebemos que a situação não vai mudar por questões alheias a nossa vontade, que a solução não depende unicamente da nossa mobilização, vamos em frente tendo o entendimento de que este é o momento de assumir novos desafios. 2018 aí!

Um NOVO ano e outra etapa de nossas vidas começa a se desenhar. Temos então, mais uma oportunidade para amar, sonhar, projetar, arriscar, investir, e finalmente construir! Depende obviamente de nossas escolhas e está em nossas mãos.

Por outro lado, se seguirmos fazendo as mesmas coisas, fatalmente colheremos os mesmos resultados. E se ainda, nos acomodarmos diante das adversidades sem correr riscos, perderemos a chance de aprendizado, novas descobertas, crescimento, aperfeiçoamento, sucesso.

Já se perguntou se você é realmente um empreendedor? O que o motiva é a necessidade, oportunidade ou ambos?

Bem, somente para elucidar, poderíamos dizer que no Brasil ou em qualquer outro país, o empreendedorismo advindo de uma oportunidade, seria o melhor, teria mais chance de sucesso e um impacto mais positivo sobre o crescimento econômico. Por exemplo, independente da motivação, os países que valorizam e capacitam os empreendedores (por necessidade ou oportunidade) investem na geração de empresas mais eficientes e produtivas. Mesmo os empreendedores por necessidade, podem gerar bons resultados para os seus negócios e transformar seus empreendimentos em oportunidade de novos ganhos. Já é possível notar um movimento nesse sentido, e eu quero acreditar que poderemos ver num futuro não tão distante (tenho esperança), um país que valoriza e apoia com força total, o empreender para crescer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desafie-se, busque a sua realização sem medo. Não espere, faça! A sua colheita acontecerá.

Vamos assumir a nossa parcela de responsabilidade e compromisso nesse processo de construção. Concentrar na atitude, ação, e solução para as questões ou situações a resolver (necessidades, dificuldades, urgências).

Apesar de já termos (ainda que tímido) um movimento positivo, muito precisa ser feito para que realmente sejamos um país mais forte, próspero, com um crescimento e desenvolvimento mais pujante e dinâmico. Precisamos a meu ver, de uma agenda de serviços e não só política, por parte dos nossos governos; e ainda, pensar verdadeiramente nas pessoas, suas necessidades e urgências. Poderia citar outros exemplos sobre os quais precisamos analisar e nos comprometer, para que haja a mudança. Isto dito, vamos nos concentrar nas nossas responsabilidades como ser humano, cidadão, eleitor. Sejamos inteiros, verdadeiros, comprometidos. Lembrar das oportunidades e usá-las da melhor forma.

Portanto, se você identificou uma necessidade de mudança na sua vida, no seu país, saiba que somente VOCÊ pode fazer acontecer. Vivemos em um mundo que está em constante transformação, onde a nossa única certeza é a mudança. Analise a situação ou questão com sabedoria, discernimento, serenidade, amor, coragem e compromisso. É preciso que façamos isso. Caso contrário, não construiremos uma história diferente, e muito menos, uma história de sucesso. Seja para nós mesmos ou nosso país. Portanto, vamos “agarrar” esse novo começo e trabalhar na construção daquilo que realmente queremos ser, ver, e ter.

Sejamos nós a mudança.

Eu desejo que o NOVO ano seja de fato diferente, próspero e muito feliz!!


Coluna escrita as Segundas-Feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 08/01/2018 às 08h58
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/12/2017 00h00
PALAVRAS & SENTIMENTOS - Palavras & Sentimentos

 


Eloah Westphalen Naschenweng - eloahwn@hotmail.com


 

“ Com a vida aprendi que as palavras

São presentes e infinitas”

 

Em cada palavra, em cada frase poética construída, seja  nas inquietações,  no encanto, no desencanto, no amor, no desamor, na sede e na fome da alma existe um pouco de mim, um pouco de você e um pouco de todos nós.

É este tremor que pulsa no coração, estica a ternura e coloca a beleza no sopro da vida.

Na medida destemida dos sentimentos recolhemos o rastilho dos afetos permeados no olhar da saudade  e das memórias, para trazer para bem perto a eternidade do tempo.

Trazemos para as palavras os sons, as canções  e a trilha sonora, lírica e densa do encanto, na tentativa de compreender os quietos movimentos da vida.

Como quimeras que semeiam visões do paraíso, matizes de sonhos no palco do universo pessoal, sopramos as chamas que tendem a se apagar na densa sombra que permeia o frágil coração.

Na correnteza que nos leva, somos água, somos pedra, areia, somos voz, somos música, somos feitos de amor, afeto  e poesia - somos célula do universo.

Cruzamos o nosso mundo de palavras tocáveis  e afetos  invisíveis, para conversar com a alma  e desenhar nas letras a sóbria ternura que a sorrir nos leva neste  passeio  etéreo,  nos alimenta  a segurar o tempo e os sentimentos que sobrevivem no silêncio.


Coluna escrita quinzenalmente (Sábados).


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 16/12/2017 às 00h00
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
15/12/2017 00h00
VIAJANDO NA POESIA – A Paz

 


Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


 

Paz, Pax, Paix, Fred, Vrede, Frieden, Bakea e assim sucessivamente em outras línguas. Os povos ao redor do mundo repetem diariamente este mantra, PAZ. No entanto cabe aqui, uma profunda reflexão. Nós realmente temos consciência do significado destas duas consoantes e uma vogal? O peso que ela nos carrega? Primeiramente devemos promover a paz dentro de nós mesmos para depois exigir ao outro esta paz que tanto alardeamos. Precisamos usar da alteridade para chegarmos a algum lugar e sentirmos libertos das armadilhas que rondam o nosso caminhar. A nossa paz interior é fundamental para o nosso bem estar, nossa libertação do julgo alheio. Como devo me sentir em paz? Quando estou de bem comigo mesmo, com meu Eu Divino. Quando tenho consciência de que minhas atitudes não estão a prejudicar a mim e ao outro. A ética em minhas ações deve estar em primeiro plano. Devemos fazer ao outro o que desejamos a nós. É salutar exigirmos nossos direitos, no entanto os nossos deveres devem ser cumpridos a risca. Quando criticamos nossas autoridades por suas mazelas esquecemo-nos de olharmos para dentro de nós e nos questionar: se eu lá estivesse faria igual, melhor ou pior? Desejo para mim meus direitos e o meus deveres? Pago corretamente meus impostos? Não furo a fila dos idosos? Não estaciono meu veículo na vaga dos portadores de necessidades especiais? Dos idosos? Quando sou apreendido por um guarda diante de um erro cometido, qual o teor de minha conversa? A solidariedade faz parte de minhas atitudes? Sou fraterno comigo e com o outro? Meu discurso “político/social” a quem eu quero atingir? A sociedade como um todo ou somente resolver o meu “lado”, resolvido meu problema esqueço totalmente dos problemas que atingem a sociedade em geral? Eu quero a paz mundial, no entanto não perdoo aquele ser que está ao meu lado dividindo o mesmo teto, seja esposo, esposa, filho, pai, mãe e afins. Ignoro meu vizinho, meu colega de trabalho, meu irmão de fé e ainda lutamos pela paz mundial? Devemos semear a paz nas coisas mais simples, pois é nela que está a verdadeira lição de vida. É na simplicidade que aprendemos e crescemos. Grandes discursos só servem para inflamar nosso ego, não leva a nada, ficam no vazio, se dissipam no espaço. Vivamos nossa paz interior livres de conceitos e preconceitos, sem julgamentos. Mente aberta para as mudanças que se fazem necessárias, fé, mais ação e pouco discurso. Não somos turistas neste planeta, cada um de nós temos o compromisso de contribuir com a evolução do mesmo e esta evolução começa por nós, no nosso interior. Somos todos parceiros de Deus, pois ele nos legou o direito e dever de fazer deste planeta um lugar de paz, amor, liberdade, solidariedade, fraternidade. O que estamos esperando? Que tal cada um fazer a sua parte colocando a mão na massa e construirmos um mundo melhor? Sermos dignos com Aquele que nos confiou esta responsabilidade? Deus deseja que esta parceria continue sempre, sem data de validade, pois ele é soberano, justo e paciente para com suas criaturas.  Mais Paz na prática e menos paz no discurso. Namastê


Coluna escrita as Sextas-Feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 15/12/2017 às 00h00
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
13/12/2017 09h38
CARTAS NO TEMPO – Um Lugar Imaginário...

 


Por Ricardo Oliveira - oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


 

Sentimentos ao despertar

É tão bom despertar de forma a estar bem consigo mesmo e com os outros! Com os Sagrado, melhor ainda. O coração se enche de alegria e tudo se torna belo por natureza. A vida tem um gosto especial de a luz emanada do Céu é a razão para sentir a poesia se mover juntamente com a alma misteriosa e que não se pode medir ou se ver, mas se sabe, contudo, que ela existe. O sopro do vento deixa um sonho de quem deseja sair para navegar ou um campo florido dá um toque especial para se pensar em caminhada e se jogar nas pétalas sem ter vontade de ficar com os olhos fixos no tempo. Assim que estou e por isso venho a escrever esta coluna, para convida-los a imaginar mundos e lugares a desbravar...

 

O Desbravamento...

Desbravar é ir em busca de coisas novas. É ter a vivencia de todas as coisas possíveis para se ter de experiência. As experimentações são curiosidades a se tornaram de fato as palavras de um texto, de versos e canções. Provavelmente pinturas de obras primas e esculturas são frutos dessas idas e vindas das alegrias e tristezas dos quais os seres humanos passam para crescerem como pessoa. Um filosofar de mente humana. Um ar que se respira e uma inspiração a se iniciar a qualquer momento. Voltemos a proposta inicial de imaginar cidades, não importa se são verdadeiras ou vindas de sonhos absurdos. Uma criação a ser extravagado por cada leitor/a em sua própria maneira de construí-la.

 

Álvares de Azevedo e a minha poesia

O Poeta Álvares de Azevedo traça em sua poesia “Amor” algo tão sublime a ser escutado com atenção de quem realmente ama algo ou alguém.   Um de seus versos diz: “Quero em teus lábios beber os teus amores do céu, quero em teu seio morrer no enlevo do seio teu! Quero viver d’esperança, quero tremer e sentir! Na tua cheirosa trança quero sonhar e dormir!” Um suspirar a transmitir neste instante a imagem de um lugar totalmente poético e fora de todos os padrões, será? Palavras como ESPERANÇA – AMOR-SONHAR-DORMIR – SENTIR, me levam a finalizar este texto com uma pequena poesia minha que vem a nos levar a longínquas vias do poder de ser criativo no que desconhecemos:

 

Mundo de ideias e mistérios

Sorrateiramente me conduzo até as montanhas,

E percebo que já ultrapassei a ponte de um mundo

De ideias e de mistérios, dos quais me comovem.

A esperança de poder caminhar por campos verdes,

É a base com que a minha filosofia traz em mim

A liberdade de um amor incontrolável e ao mesmo

Tempo vem fazer com que eu veja a cachoeira.

As águas límpidas e refrescantes me colocam a dormir...

E dormir após um bom banho. O sonhar com pássaros

É a verdade de poder sentir, ainda pequena e leve,

A gostosura do mundo poética e com tantas cores.

Caso seja o céu para alguns, é bem elaborado,

Caso seja um lugar diferente e existente em outros mundos,

Isso depende, pois a cada um é dado a oportunidade de imaginar.

 

Desejo a todos e todas um Natal lindo em familia e um Ano Novo com poesia!


Coluna escrita nas Terças e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 13/12/2017 às 09h38
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/12/2017 00h00
CARTAS NO TEMPO – Poesia do Amor

 


Por Ricardo Oliveira - oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


 

Amor Interesseiro

A de se desconfiar quando o amor é interesseiro. Não dá certo viver deste jeito, assim vamos brincando com nossos sentimentos. O amor não pede nada em troca e nem faz com que sintamos pesado...Até porque ele é leve e amável. Ele (o amor) é o ato mais puro em nossa existência e não nos obriga a fazer coisas dos quais não são boas. Por excelência, quem ama sabe respeitar o limite do outro e suas potencialidades. Penso ser poético nosso ser quando nos enchemos de coragem para declarar este amor dentro do peito. Os ventos desejam ouvir a nossa voz, o Sagrado quer sacralizar este ato de inocência, sim, o amor também é inocente. Busquemos nossas partes e se já encontramos, não percamos a suavidade de escancarar o que está em nosso interior.

 

Será que não percebemos beleza de amar?

Também, vejo que este amor se torna um pouco possessivo e prejudicial para ambas as partes. Quando os sentimentos se tornam ciúmes, desconfiança, isso vem descarregar no Outro a violência de várias formas. Que amor é esse? De onde vem tanta fúria? Será que os seres humanos não veem a beleza que é o significado de amar. Será que não percebem que aos poucos matão a poesia, a si mesmos e a/o companheira/o no qual logo deixará de amar? Deixar de amar é porventura loucura, entretanto, louco é quem não sabe se controlar e não compreende as consequências disso. Uma ajuda não é sinônimo de fraqueza, mas um momento necessário para a tranquilidade e o bem-estar do íntimo.

 

Não culpemos o amor

Sabemos que a vida a dois não fácil, mas é uma construção e depende de ambos. O amor não é responsável por nossos atos. Quero dizer a respeito, pois entendo que não se deve por a culpa no amor. É porque eu amo...extrapolo as linhas que me mantém sana: a ética. É porque eu amo...vou prender meu/minha amado/a. Não sou nenhum psicólogo e nem escrevo para dá lição de mora em quem quer que seja, mas falo a partir do que eu acredito ser o correto, e podem concorda ou não sobre meu ponto de vista nesta coluna. Cuidemos deste amor por inteiro! Demos a ele a oportunidade de ser quem realmente é. Penso que o amor é um espelho a fletir nós mesmos enquanto pessoa.

 

A lógica da Poesia

Com toda esta fala de benquerer, me lembro das pétalas de rosas. Quando gostávamos de alguém, começávamos a tirar as pétalas dizendo: - Bem me quer. Mal me quer! Era tão bom quando os versos vinham em só palavra: -Bem me quer! Todas as coisas mudaram e temos que caminhar com estas mudanças, contudo, é bem improvável que tenha se perdido essas coisas no tempo...Em algum lugar, ainda existem pessoas brincando de tirar as pétalas por aí. Não poderiam terminar minha Cartas No Tempo sem trazer a canção intitulada de “Sinônimos”. Escutar esta música na voz de Chitãozinho e Xororó é de se arrepiar. Tem um verso que me comove: “Quem ama nunca sente medo de contar o seu segredo...”  Então, vamos abrir nossos segredos para nossos amores. Essa é a lógica da poesia da CONFIANÇA.

Queridos leitores/as, marquemos o nosso próximo encontro?


Coluna escrita as Terças e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 12/12/2017 às 00h00
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 8 de 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 [«anterior] [próxima»]